Como chegar aqui:

Mestrado e Doutorado em Ciência do Solo

PROJETO: PEDOLOGIA E RELAÇÕES DO USO COM PROPRIEDADES E CARACTERÍSTICAS DE SOLOS DO EXTREMO SUL DO BRASIL


Sub-projeto 1: DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA IDENTIFICAÇÃO DE SOLOS COM ALTOS TEORES DE CARBONO POR RADIOMETRIA PARA O SUL E SUDESTE DO BRASIL
LINHA DE PESQUISA: CARACTERIZAÇÃO, CONSERVAÇÃO E USO DOS RECURSOS NATURAIS
O atual Código Florestal estabelece como áreas de preservação permanente (APPs) florestas e demais formas de vegetação situadas nos altos dos morros e nas áreas com altitude superior a 1.800m. Estes locais são considerados de grande valia para conservação da biodiversidade e apresentam elevado potencial de sequestro de carbono. O clima frio e úmido das áreas de altitude, predominante durante a gênese destes solos, reduz a taxa de decomposição dos resíduos vegetais, favorecendo o acúmulo de carbono orgânico. O objetivo do estudo é propor uma metodologia para delimitar solos com expressivo conteúdo de carbono orgânico, para o Sul do Brasil, utilizando a radiometria. A espectroscopia de refletância tem se tornado uma ferramenta muito útil para a ciência do solo nos últimos 20 anos. Esta técnica vem sendo uma alternativa aos atuais métodos de análises, com a vantagem de analisar grande número de amostras sem utilizar reagentes químicos.  Serão coletadas amostras de solo e perfis representativos dos solos nos locais de elevadas altitudes da região Sul e Sudeste do Brasil. O desenvolvimento de uma metodologia com base na radiometria permitirá a identificação dos solos com altos teores de carbono no Sul e Sudeste do Brasil de forma mais eficiente e sem a necessidade de intensa geração de resíduos tóxicos. A delimitação das áreas de ocorrência destes solos possibilitará uma estimativa do potencial de sequestro de carbono entre as ordens bem como apoiar novos estudos voltados à conservação de solos, agrobiodiversidade e apoiar órgãos governamentais com enfoque ambiental.
 
Sub-projeto 2: QUALIDADE ESTRUTURAL DE UM CAMBISSOLO HÚMICO SOB PASTEJO BOVINO EM CAMPO NATIVO
LINHA DE PESQUISA: CARACTERIZAÇÃO, CONSERVAÇÃO E USO DOS RECURSOS NATURAIS
Resumo: Os campos nativos do planalto sul catarinense possuem vocação de uso para pastejo e largamente utilizados para este fim, porém são escassas as informações sobre a qualidade estrutural do solo sob este sistema. Assim, o objetivo deste trabalho é avaliar o efeito de diferentes manejos da pastagem na estrutura de um Cambissolo Húmico, utilizando o capim caninha (Andropogon lateralis) como forrageira de referência. O estudo será realizado em um experimento implantado em 2015 na estação experimental da Epagri em Lages/SC, sob delineamento blocos ao acaso (DBC) com quatro tratamentos e quatro repetições, sendo os tratamentos diferenciados por diferentes alturas da forrageira para entrada animal (12, 20, 28 e 36 cm) e obedecendo uma meta de desfolha de 40 %, assim simulando um sistema de pastejo rotacionado. Os ciclos de pastejo ocorrem durante o período de crescimento da forrageira, que compreende os meses de setembro a maio. No solo após cada temporada de pastejo e antecedendo a próxima serão avaliados: densidade do solo, distribuição de poros, estabilidade de agregados, conteúdo de carbono orgânico, infiltração de água e densidade máxima pelo ensaio de Proctor. Ainda, no período que antecede a próxima temporada de pastejo será avaliada a resistência mecânica do solo a penetração. Atendendo estes objetivos, busca-se elencar informações sobre o melhor manejo da pastagem para que haja a conservação da estrutura e funcionalidade do solo sob pecuária bovina em campo nativo no planalto sul catarinense.
 
Sub-projeto 3: ABORDAGEM DA RELAÇÃO SOLO-PAISAGEM NOS SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS NO ESTADO DE SANTA CATARINA
LINHA DE PESQUISA: CARACTERIZAÇÃO, CONSERVAÇÃO E USO DOS RECURSOS NATURAIS
Resumo: Estudos de levantamentos pedológicos em escala de paisagem são de extrema importância para o entendimento da sua gênese, conhecimento da aptidão de uso, recomendação quanto a utilização e da possível relação com a biodiversidade de organismos no solo. São escassos os trabalhos em literatura que relacionam os solos com a biodiversidade de organismos e os serviços ecossistêmicos. Este trabalho tem como objetivo realizar a classificação e levantamento de solos em áreas pré-definidas, no estado de Santa Catarina (SC), nas quais também estão sendo realizados trabalhos de distribuição biogeográfica de comunidades de organismos. O levantamento de solos será realizado ao longo de um gradiente geográfico do interior para o litoral do estado de SC, nas regiões Oeste, Planalto, Leste e Sul, em áreas com distintos usos de solos, sendo plantio direto, integração lavoura-pecuária, pastagem, reflorestamento de eucalipto e fragmentos de floresta nativa, em três municípios de cada região. Serão gerados mapas de solos, de uso e manejo do solo, de relevo, altitude, hidrografia, fluxos de água, e a relação com a biodiversidade de organismos. O fator solo será considerado uma variável explicativa das diferenças na biodiversidade entre as regiões e dentro de cada região estudada. Assim, espera-se contribuir para o levantamento de solos nas regiões e obter a relação existente com a biodiversidade de organismos, e por fim nortear o planejamento de uso de solos dessas áreas, com foco na conservação dos recursos naturais.
 
Sub-projeto 4: LEVANTAMENTO DE DADOS LEGADOS DE SOLOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA
LINHA DE PESQUISA: CARACTERIZAÇÃO, CONSERVAÇÃO E USO DOS RECURSOS NATURAIS
Os Dados Legados de Solos consistem em informações presentes nos conhecimentos gerados em tempos pretéritos. Um exemplo disso são os levantamentos convencionais de solos, que priorizam a descrição de perfis e geração dos mapas, tendo sido realizados por inúmeras instituições utilizando de métodos, padrões, escalas e sistemas de classificação divergentes e encontram-se distribuídos em diferentes fontes bibliométricas. Entretanto, não se tem o conhecimento que exista um estudo com o levantamento de Dados Legados de solos para regiões ou estado de Santa Catarina. O presente estudo tem por objetivo compilar informações de perfis e de classes de solos, a partir de um conjunto de Dados Legados no âmbito do estado de Santa Catarina, para posterior formulação de um protocolo de utilização de tais dados, bem como atualização da classificação e geração de mapas temáticos. Para tanto, inicialmente serão buscadas informações de solos obtidas por instituições públicas ou privadas, de livre acesso ou consensual entre as partes para utilização nesta pesquisa, tais como a classificação, localização, informações geológicas e caracterização química, física e mineralógica. Em um segundo momento, havendo a necessidade será realizada a reclassificação de tais solos de acordo com a versão atualizada do Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (Embrapa, 2018), e por fim a geração de mapas temáticos. A compilação dessas informações em um banco de dados será fundamental para estudos futuros, como por exemplo, o estabelecimento de políticas públicas de uso, manejo e conservação, bem como aprimoramento dos mapas de solos. Além disso, a utilização dessas informações juntamente de dados auxiliares (por exemplo, imagens SRTM, etc) se tornam cada vez mais interessantes e promissores no mapeamento digital de solos.
 
Sub-projeto 5 - DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA IDENTIFICAÇÃO ESPECTRAL DE SOLOS DO SUL E SUDESTE DO BRASIL COM ALTOS TEORES DE CARBONO O atual Código Florestal estabelece como áreas de preservação permanente (APPs) florestas e demais formas de vegetação situadas nos altos dos morros e nas áreas com altitude superior a 1.800m. Estes locais são considerados extremamente importantes para conservação da biodiversidade e apresentam elevado potencial de sequestro de carbono. O clima frio e úmido das áreas de altitude, predominante durante a gênese destes solos, reduz a taxa de decomposição dos resíduos vegetais, favorecendo o acúmulo de carbono orgânico. O objetivo do estudo é propor uma metodologia para delimitar solos com expressivo conteúdo de carbono orgânico, para o Sul e Sudeste do Brasil, utilizando a radiometria. A espectroscopia de refletância tem se tornado uma ferramenta muito útil para a ciência do solo nos últimos 20 anos. Essa técnica vem sendo uma alternativa aos atuais métodos de análises, com a vantagem de analisar grande número de amostras sem utilizar reagentes químicos os quais são fonte de contaminação dos recursos naturais. Para a pesquisa serão coletadas amostras de solo e perfis representativos dos solos nos locais de elevadas altitudes da região Sul e Sudeste do Brasil. O desenvolvimento de uma metodologia com base na radiometria permitirá identificar e delimitar os solos (Cambissolos e Organossolos) com altos teores de carbono no Sul e Sudeste do Brasil de forma mais eficiente e econômica. A delimitação das áreas de ocorrência destes solos possibilitará uma estimativa do potencial de sequestro de carbono entre as ordens bem como apoiar novos estudos voltados à conservação de solos, agrobiodiversidade e apoiar órgãos governamentais com enfoque ambiental.

 

        PROJETO: EDUCAÇÃO EM SOLOS

Sub-projeto 1: Abordagem cotidiana sobre a educação em solos nas escolas de Ensino Básico de Lages-SC com vistas à elaboração de material didático
LINHA DE PESQUISA: CARACTERIZAÇÃO, CONSERVAÇÃO E USO DOS RECURSOS NATURAIS
Uma das formas de contribuir para a minimização da degradação antrópica dos recursos naturais é a maior conscientização por parte da população sobre a importância de cada um destes recursos para funcionamento de todo o ecossistema. Os Programas de Pós-Graduação em Ciência do Solo no Brasil formam todos os anos uma série de mestres e doutores que produzem ciência, a ciência em solos. Entretanto, essa, na maioria dos casos é uma investigação puramente científica que não tem o papel principal de conscientizar a sociedade sobre a importância de seus resultados e a aplicabilidade. A partir do aprendizado obtido com as disciplinas do Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo, e da necessidade de ampliar a conscientização da sociedade sobre o recurso natural solo, temos como objetivo contribuir com o ensino de solos no Ensino Básico de escolas públicas municipais de Lages, SC. A coleta dos dados, efetivada por meio de observações, questionários e análise documental, será realizada em seis escolas municipais nas quais duas são do interior, duas da periferia e duas do centro de Lages, SC. A partir destes dados, identificar-se-ão as estratégias de ensino utilizadas pelos professores em sala de aula, a capacidade de adequação do conhecimento a faixa etária da criança e o conhecimento histórico-social dos estudantes a respeito do assunto. A coleta de dados será realizada em turmas do 2º e 3º ano do Ensino Básico, no entanto o resultado final do projeto, em formato de livro, será utilizado por todos os professores que tiverem interesse em ampliar seu conhecimento e desenvolver ações práticas, dinâmicas e lúdicas que possibilitem reflexões críticas sobre o uso dos solos, manejo, degradação e serviços ecossistêmicos por ele prestados. Assim, conceitos e práticas educacionais serão permeados de saberes fundamentados por pesquisadores da área de solos tornando o ensino-aprendizagem mais fundamentado. O projeto contará com a parceria da UDESC, Secretaria da Agricultura e Secretaria de Educação de Lages. Através de ações efetivas aplicadas nas escolas municipais, o conhecimento gerado na academia será difundido as demais esferas educacionais promovendo desde as fases iniciais a conscientização sobre a importância do solo para a saúde e ambiente.
 
 

 
Centro de Ciências Agroveterinárias - CAV / Av. Luiz de Camões, 2090 - Conta Dinheiro - Lages - SC
CEP: 88.520-000 / Telefone: (49) 3289-9100